Comunidade de praticasA proposta do serviço de Comunidade de Práticas objetiva evoluir no debate sobre os gargalos sócio técnicos da IoT (Internet das Coisas)  para amplificar na sociedade os aspectos do conhecimento humano e seus impactos de adoção,  comercialização e industrialização do novo ecossistema de IoT, no sentido de compreender a partir do reconhecimento e validação dos elementos chaves envolvidos nas tecnologias habilitadoras baseadas em IoT que estão sendo amadurecidas.

O debates planejados envolvem elementos críticos de validação para a implementação de aplicações em IoT: segurança, interoperabilidade, custos. Inclui-se também modelos de negócio, economia compartilhada e adequação sócio técnica, bem como pesquisas orientadas para experiência e adesão do usuário.

Dentre as verticais de IoT, os drives de debate estão definidos para os temas transversais de Cidades Inteligentes, envolvendo mobilidade urbana mesclando ITS(Sistema Inteligente de Transporte) X Emissões X Saúde Pública X Gestão Pública.

A partir do amadurecimento dos debates e das experimentações, que amplificam e aceleram o aprendizado a partir de experimentações práticas, as pesquisas são renovadas a partir dos inputs individuais e coletivos, linguagem própria é aperfeiçoada durante a comunicação entre os pares, o que conduz a padrões para o estabelecimento da conectividade e amplifica a oportunidade de operação em rede de forma acelerada.

No amplo conceito da IoT se levanta grandes desafios que nas comunidades de práticas, o ambiente lúdico propicia a  criatividade e recursos para resolver problemas, e sua habilidade de inventar maneiras melhores e mais fáceis de resolver tais desafios.

Ao oferecer um ambiente de aprendizado robusto, baseado em trocas de informação sincronizadas ou assíncronas, as comunidades de práticas se tornam um conceito bastante atraente para todos os colaboradores das organizações no NEPIoT-Núcleo de Estudos e Projetos em IoT.

É no contexto da evolução do conhecimento da IoT, no campo experimental,  atinge a relevância
estratégica (que são formadas em torno de domínios de conhecimento estratégicos), as organizações estarão promovendo o aprendizado coletivo e a inovação organizacional.

A habilidade de organizar, capturar, e disseminar o conhecimento de uma comunidade de prática, em especial por toda uma organização, está no centro de esforços de uma Gestão do Conhecimento de sucesso. E este valor está sendo compartilhado ao todos os colaboradores.

Cada vez mais, a habilidade de uma companhia de sobreviver e se tornar competitiva exige a ligação contínua de comunidades de práticas distintas, com a síntese do conhecimento coletivo e da organização e o desenvolvimento da inteligência coletiva em torno da compreensão dos temas e experimentações praticadas junto as atividades realizadas.

Os membros de comunidades de práticas podem participar de projetos em conjunto ou não. Os encontros podem ser ou não regulares, em locais fixos, ou terem agendas estruturadas. Eles podem ser encontros reais ou virtuais.  As comunidades de práticas podem ser efêmeras ou durar um bom tempo.  Há, demais, um reconhecimento crescente de que as pessoas “trocam de chapéu” enquanto trabalham, indo de projeto para projeto, trabalhando dentro ou fora dos limites da organização no âmbito das redes. Isso também significa que as pessoas podem participar em diferentes comunidades, com diferentes níveis de intensidade. Elas podem ser líderes em algumas delas, fazerem parte do grupo mais ativo em outras, ou simplesmente entrar de vez em quando para saber o que está acontecendo.
Elas existem formalmente com o reconhecimento das estruturas formais da rede e assumem responsabilidades bastante específicas no contexto dos experimentos e estudos estratégicos do NEPIoT e de suas organizações.

As comunidades agregam valores e benefícios às organizações de diversas formas:
> Elas ajudam a dirigir a estratégia;

> Elas dão início a novas linhas de negócios e alianças;

> Elas resolvem problemas rapidamente;

> Elas transferem as melhores práticas;

> Elas desenvolvem habilidades profissionais;

> Elas ajudam a companhia a recrutar e reter talentos.

Baseados em nossa experiência e em vários relatos, acrescentamos as seguintes contribuições comuns:

> Elas podem agilizar a detecção e registro de sinais de novas tendências no mercado;

> Elas ajudam a melhor servir clientes existentes;

> Elas ajudam a desenvolver relacionamentos mais fortes com clientes;

> Elas reduzem as barreiras culturais entre áreas funcionais e localidades distintas;

> Elas podem desempenhar um papel em atividades de fusão e aquisição de empresas;

> Elas melhoram o capital social das organizações;

> Elas ajudam a preservar conhecimento estratégico de linhas de negócio que deixam de ser prioritárias e/ou não têm mais indivíduos dedicados funcionalmente na organização;

> Elas servem como fórum para apoio a decisões tomadas em consenso;

> Elas ajudam a definir blocos de conhecimento carregados por funcionários onde vale a pena se investir na codificação de conhecimento tácito;

> Elas auxiliam a competir de forma colaborativa em mercados ainda não conquistados.

As comunidade de práticas estabelecidas junto ao NEPIoT destinam-se ao desenvolvimento de Test-Beds para as Startups e  a preparação de seus modelos de negócio para investidores e projetos de colaboração. Envolvem diagnóstico, levantamento e serviço de Pesquisa de Campo.